SWELL (Marulhos) e SEAS (Vagas)

por Valdir Innocentini

É comum na linguagem dos surfistas dizer “vou pegar um swell (suel)”. Para eles, swell significa boas ondas para surfar, com boa altura, que chegam bem definidas, sem ruídos, isto é, sem outras ondas propagando-se ao mesmo tempo. Na Marinha do Brasil, utilizam a palavra marulho para swell. Nos meios científicos, utilizamos swell.

Mas o que é Swell?

Suponha um lago totalmente liso, sem ondas. Então uma pequena brisa começa a soprar. Aparecem pequenas ondas com distância entre 2 picos de alguns centímetros. Se o vento parar, elas rapidamente desaparecem, mas se o vento persistir, tornam-se maiores … e maiores. A altura das ondas depende crucialmente de 3 fatores:

1) intensidade do vento

2) pista, ou dimensão da área em que a o vento atua

3) duração do vento

Obviamente, existe um limite máximo de crescimento, isto é, se o vento for, por exemplo, de 15 metros por segundo, por mais tempo que ele atue, e por maior que seja a pista, a altura não ultrapassará um determinado valor. Este limite é alcançado quando a energia que o vento coloca no mar se iguala à energia que é dissipada. Ainda bem que a natureza faz isso, senão seria um desastre após o outro.

Suponha então que a pista seja de alguns milhares de quilômetros, e que sopre por alguns dias. Na região onde as ondas estão sendo geradas, o mar parece caótico, as ondas possuem todos tamanhos, e parecem vir de várias direções. Estas ondas são chamadas de vagas, ou wind-sea (pronuncia-se uindesi), ou ainda abreviadamente sea (pronuncia-se si).

Entretanto, elas não ficam restritas a esta região, algumas escapam. As ondas que fogem da zona de geração, tem uma forma bem definida, e são chamadas de swell, ou marulho. Viajam por milhares de quilômetros e a dissipação que experimentam é bem pequena. Assim são as ondas que atingem o Havaí. Sao geradas por ciclones extratropicais no extremo norte do pacifico, e chegam ao litoral limpas, bem definidas, prontinhas para serem surfadas.

VÍDEO ILUSTRATIVO SOBRE SWELL (INGLÊS)

Crédito: Students at the Bergen Academy of Art and Design – Meteorologisk institutt)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *